Neste dia 1º/6, Goiânia ganha área verde de 3 mil metros quadrados com lago suspenso na avenida D


Com uma proposta de reduzir impactos ambientais e promover qualidade de vida, a construção civil vem investindo em projetos inteligentes e novas tecnologias que são capazes de tornar as selvas de concreto das grandes cidades em lugares que agregam mais qualidade de vida com uma presença maior de áreas verdes. Essas pequenas porções de vegetação em meio aos grandes centros urbanos é uma moderna tendência e traz benefícios como equilíbrio térmico, melhora na qualidade do ar, isolamento acústico e alívio no paisagismo da cidade.


Dentro dessa tendência urbanística, Goiânia ganha no próximo dia 1º, em plena Semana do Meio Ambiente, o Botanic Consciente Life, primeiro empreendimento vertical da capital a incluir um bosque e lago ornamental suspensos. Projeto inédito no Centro-Oeste inclui um bosque com 3 mil metros quadrados de área verde e um lago ornamental de 148m², implantados no mezanino do residencial que fica na Avenida D, no coração de Goiânia. São 1.622 plantas de mais de 30 espécies de de pequeno, médio e grande porte. Na fase adulta, algumas exemplares chegarão a dez metros de altura.  

 

Projetado pelo arquiteto e paisagista, Benedito Abudd, reconhecido nacionalmente por seus projetos que integram o verde às construções, o bosque suspenso do Botanic foi desenvolvido para aguçar os cinco sentidos dos usuários. Serão plantadas no local árvores frutíferas para o paladar; flores para apurar o olfato; plantas das mais diferentes texturas, para apurar o tato, e as cores das plantas juntamente com o lago irão aguçar a visão e a adição. O espaço também contará com equipamentos de lazer, permitindo o contato e a interação entre moradores e a natureza.

“Uma camada de 50 centímetros de terra será depositada sobre as lajes, o que permite o crescimento de árvores de até 10 metros”, explica Abudd. Conforme afirma o paisagista, o escoamento da água da chuva e da irrigação das plantas será realizado pelo sistema de drenagem com ralos, junto de uma manta geotêxtil, que evitará que a terra escorra junto com a água. Sob a água do lago também haverá uma lona especial.

Segundo o incorporador Ilézio Ferreira, o projeto criou a possibilidade de viver com o verde em pleno centro urbano de Goiânia. “No coração da cidade, em uma avenida de alto fluxo de veículos e pessoas, agora é possível  viver com o verde sem abdicar-se da comodidade disponível de uma grande metrópole”.

 

Tecnologia

Suspensos no mezanino, acima dos estacionamentos, tanto o bosque como o lago exigiram uma atenção especial da equipe de construção. O engenheiro Leonardo Menezes explica que, além de ser projetada para suportar o peso, as estruturas do lago e do bosque receberam aplicação extra de impermeabilização, evitando vazamentos de água e que as raízes perfurem o assoalho.

Foram feitas as etapas de regularização com argamassa, impermeabilização com manta asfáltica, manta de drenagem para impedir que lama e detritos obstruam as tubulações de renovação da água, além da manta emborrachada que reveste o lago, junto com pedriscos, pedras e areia. O corpo d’água recebeu ainda 150 carpas, peixes cujo tamanho pode variar de 15 a 34 cm.

“A tecnologia nos permitiu transformar uma região e, ainda, conciliar duas necessidades da vida urbana: os espaços para abrigar os veículos e o convívio com a natureza”, reforça Leonardo. O engenheiro ainda ressalta que a legislação permitiria um maior adensamento do terreno, contudo a opção foi pelo projeto sustentável.

Lago

Com 148 m², o lago do Botanic possui características sustentáveis. De acordo com o diretor da Ecovalle, empresa responsável pela construção do lago, Carlos Savale, o corpo d’água foi desenvolvido para ser autolimpante. Três sistemas fazem com que isso dê certo: a engenharia do lago, a tecnologia e os peixes que irão compor a fauna dele. Com cascata em uma ponta e filtro na outra, além de uma leve inclinação no terreno, foi possível produzir uma correnteza que irá levar as impurezas da superfície até o ponto de filtragem. Para colaborar com esse sistema, serão colocadas 150 carpas, peixes de 15 cm a 34 cm, que além de contribuir para a estética, colaboram para a limpeza do lago.

“As carpas são animais que se alimentam no fundo do corpo d’água. Ao comer, elas levantam poeira e junto com ela, sujeiras. Com a precipitação dos dejetos, a correnteza artificial encaminha tudo para o filtro, promovendo uma limpeza automática. Como os peixes dessa espécie não têm estômago, elas ficam o dia inteiro nesse processo e assim não precisamos aspirar a poeira do fundo”.

De acordo com Savale, na ausência de peixes o lago ficaria cheio de sujeira, e as paredes lodosas e com fungos. Depois de filtrada a água retorna, via dutos, para a cascata, que a devolve para o lago. “Com esse processo, conseguimos dar garantia de água cristalina por tempo indeterminado”, garante Carlos Savale.

Sobre o Botanic

O Botanic Consciente Life tem 140 apartamentos, todos com três suítes, 158 metros quadrados e três vagas de garagem. Em torre única de 41 pavimentos, serão quatro unidades por andar e cada prumada terá elevador com hall privativo. No topo, haverá um terraço gourmet para complementar o lazer dos moradores.  No total, são quase 40 mil metros quadrados de construção.

Na distribuição interna dos apartamentos, o destaque é para a integração entre sala, cozinha e varanda com churrasqueira à carvão.  As três suítes serão entregues com  veneziana integrada, já com preparação para futura automação. O pé direito será maior que o convencional e entregue com manta de isolamento acústico.  

O projeto, assinado pelos arquitetos Camila Inácio e Luiz Ar, prevê a orientação norte/sul para a sala, varanda e quarto do casal, medida que protege estes ambientes da insolação. Outra medida para amenizar os efeitos do sol e garantir mais privacidade será a maior espessura de algumas paredes.  O Botanic Consciente Life também conta com a parceria da JFG Empreendimentos e da Santos Sampaio Empreendimentos.